terça-feira, 14 de agosto de 2018

TUBERCULOSE


BACILO DE KOCH - que causa a tuberculose

A tuberculose é uma doença altamente contagiosa causada por uma infecção causada por uma bactéria (Mycobacterium tuberculosis, mais conhecida como BK ou Bacilo de Koch) que atinge principalmente os pulmões. Mas também podem atingir os ossos, rins e as membranas que envolvem o cérebro (meninges). Outras microbactérias como a “bovis”, “africanum” e “microti” (que são da mesma família das BK) também podem causar a tuberculose.


A tuberculose passa de pessoa para pessoa, sendo o principal veículo as aglomerações. As pessoas expelem essas microbactérias em pequenas gotas de saliva ao falar, espirrar ou tossir e aspiradas por alguém que também fica contaminado. Algumas condições como a má alimentação, tabagismo, alcoolismo, falta de higiene ou qualquer outra que gere uma baixa resistência do organismo são facilitadores da tuberculose e de sua transmissão.

Começa com tosse seca que evolui para uma 
tosse catarrenta e depois tosse com sangue.

Muitas pessoas apresentam sintomas simples aparentemente como uma gripe, por exemplo, e que são ignorados por meses ou anos o que piora a situação. Cansaço excessivo, febre baixa à tarde, suor durante a noite, falta de apetite, palidez, emagrecimento acentuado, rouquidão, fraqueza, e falta de ânimo começam a aparecer juntamente com uma tosse seca e contínua por mais de 15 dias. Ao final desse tempo, a tosse vem acompanhada de uma secreção esverdeada e contínua que dura mais ou menos um mês. Após isso, a secreção pode vir com pus (cheiro forte) ou sangue. A pessoa não precisa esperar chegar a este ponto para procurar ajuda médica. Passados os 15 dias de tosse seca, já deve procurar ajuda.

O tratamento da tuberculose inclui o isolamento 
da pessoa infectada

Nos casos mais graves aparecem: dificuldade ao respirar; eliminação de grande quantidade de sangue ao tossir; acúmulo de pus nas membranas que envolvem os pulmões (pleura) o que causa dor aguda no peito; os pulmões entram em colapso e por não receber a quantidade de oxigênio necessária, causa o óbito.

Não há idade para se pegar tuberculose. Mas os mais vulneráveis são: os bebês, crianças e idosos.
                                           
                        A TUBERCULOSE MATA

São doenças silenciosas e graves. O diagnóstico precoce sempre ajuda aumentando a eficácia do tratamento. Por isso, consulte-se regularmente.

Já pensou estes sintomas no seu bebê ou seu filho maiorzinho? 


VACINE seu filho antes que seja tarde.  
Aproveite e VACINE-SE também.

quarta-feira, 8 de agosto de 2018

RUBÉOLA


A rubéola, também conhecida como “sarampo alemão”, é uma virose contagiosa, causada pelo vírus “rubella”, da família dos rubivírus. Esses vírus entram em nosso corpo pelas vias respiratórias, ou seja, pelo nariz e boca e o contágio se dá pela tosse, espirros ou gotículas de saliva ao falar, beijo e uso de objetos pessoais (talheres, copos, escovas de dente etc), ou do próprio ar contaminado por esse vírus.
 vírus rubella

O único hospedeiro desse vírus é o ser humano, assim como os vírus do sarampo, varicela, eritema infeccioso e a roséola. A rubéola ocorre geralmente na infância, entre os 5 e 9 anos. Mas pode aparecer em adultos não vacinados ou naqueles que nunca tiveram essa doença.

 os rashs

A rubéola ocorre uma única vez na vida e costuma ser benigna. Porém, se ocorrer em mulheres grávidas. A rubéola pode apresentar riscos, principalmente, se a mulher estiver nos três primeiros meses de gravidez, época em que o bebê está em formação. Os perigos vão do aborto espontâneo a deformações fetais.  Uma dessas deformações é a cegueira devido a complicações chamadas de “Síndrome da Rubéola Congênita”. Portanto, as mulheres que tiverem dúvidas quanto a sua imunidade e querem engravidar devem conversar com seus médicos para que ele recomende a vacinação. No caso da rubéola congênita, a transmissão é feita pela mãe ao feto. Após o nascimento, o bebê poderá transmitir o vírus até da idade de 1 ano.


A rubéola se propaga rapidamente dentro do corpo humano. Atinge a faringe, os órgãos linfáticos e se espalha pelo corpo todo pela corrente sanguínea. Sua incubação dura de 12 a 23 dias aproximadamente, quando começam a aparecer os primeiros sintomas. O perigo mais forte de contágio são os primeiros sete dias, ou seja, antes que os sintomas apareçam. Desta forma, um ser humano infecta outro sem sabem que também está contaminado.


Febre de 38º e erupções vermelhas na pele do rosto e atrás das orelhas (o rash) aparecem antes que se espalhem por todo o corpo.  Nesta fase, muitas vezes, as pessoas confundem a rubéola com o sarampo. O rash dura cerca de 3 dias na pele e, depois disso, não há mais perigo de contágio. Outros sintomas: conjuntivite, tosse, espirros, secreção nasal, dores musculares e articulares, dor de cabeça, pele seca, aumento dos gânglios linfáticos, dificuldade (ou dor) ao engolir e dor de garganta, nódulos na nuca e atrás das orelhas e mal estar geral.

As dores articulares são menos duradouras em crianças e mais duradouras em adultos.


QUANDO PROCURAR AJUDA MÉDICA?

·         Sempre que houver alguns dos sintomas citados.
·         Se estiver querendo engravidar
·         Se souber que não foi vacinado ou a tenha tomado há muito tempo.

FATORES DE RISCO

·         Não tomar a vacina (principalmente em mulheres que querem engravidar)
·         Estar em contato com pessoas infectadas ou com seus pertences pessoais.

DIAGNÓSTICO

A princípio a rubéola pode ser confundida com outras doenças (o sarampo, por exemplo). Um exame de sangue pode definir o diagnóstico porque 4 dias após a infectação já há a presença de anticorpos lgG e lgM no sangue.
Os anticorpos lgM são os que atacam a doença e o lgG indica se a pessoa está ou não está protegida contra essa doença.
Em caso das mulheres que estão ou querem engravidar o exame de sangue é importantíssimo.

DIAGNÓSTICO EM GESTANTES


Mulheres que estão grávidas (até o 3º mês) que apresentam os sintomas da rubéola ou que ficaram em contato com pessoas estavam infectadas e não sabiam, sendo confirmado posteriormente, devem procurar um médico com URGÊNCIA.  Isto porque, embora a rubéola não traga grandes problemas para a mãe, pode afetar o bebê seriamente.

Para saber se o bebê está sendo (ou foi) afetado, é preciso fazer uma minuciosa checagem dos tecidos e órgãos do feto. Além dos costumeiros exames de sangue, devem ser feitos: o ultrassom morfológico (realizado ente as 18 e 22 semanas de gestação) e que avalia se há malformações no feto. Infelizmente, algumas malformações só poderão ser observadas após o nascimento, como é o caso da malformação cerebelar, ou de lesões cerebrais que causam a deficiência intelectual.

Outras complicações que pode atingir os bebês:

Audição: otites (dores de ouvido) crônicas, surdez

Visão: cegueira, catarata, gaucoma.

Cérebro: encefalite viral, microcefalia, meningoencefalite, lesões do sistema nervoso, danos no funcionamento, cerebrais, dificuldades intelectuais, autismo.

Corpo: baixo peso ao nascer, problemas no crescimento, danos no fígado e baço, diabetes, problemas hormonais, problemas cardíacos, anemia hemolítica, mal funcionamento de órgãos, malformações em geral, erupções cutâneas no nascimento, inflamação dos pulmões, púrpura (doença que dá manchas ou placas roxas (tipo batidas) na pele, órgãos e membranas mucosas (dentro da boca).

RUBÉOLA TEM CURA?

Sim, tem cura. Todas as doenças infantis têm um ciclo. Passado esse ciclo, a vida segue normalmente. E não há um tratamento específico, já que todas as doenças infantis imunizam a pessoa para o resto de suas vidas. O que se pode fazer é amenizar os sintomas, como tomar um analgésico para diminuir as dores e um antitérmico para baixar a febre (receitados por um médico) e repouso.

OBS: Só não há cura se a rubéola atingir o feto em seu período de formação (nos 3 primeiros meses de gestação).

REMÉDIOS CASEIROS RESOLVEM?

Alguns médicos costumam indicar a ingestão de líquidos para aclamar a tosse e hidratar o corpo. Segundo a sabedoria popular, alguns chás podem ajudar: como os chás de acerola, camomila, hamamélis e cístus incanus. Estas duas últimas são encontradas em casas de ervas e de produtos naturais.

 citus incanus

                                                                     hamamélis
           
                   OBS- NÃO SAIA PEGANDO PLANTAS SEM CONHECÊ-LAS DE VERDADE.

Para bebês menores de 1 ano, os médicos recomendam mel e gotas de limão com água, ambas em temperatura morna.

ATENÇÃO:

·         Os casos de rubéola pararam de ocorrer em 2009. Porém, se nossas crianças não forem vacinadas, NOVOS CASOS DA DOENÇA poderão voltar a ocorrer, como é o caso do sarampo.

A vacina que livra as crianças do sarampo, da caxumba e da rubéola é a TRÍPLICE VIRAL.


“A PREVENÇÃO É SEMPRE O MELHOR CAMINHO”

“VACINAR O FILHO É UM ATO DE AMOR”.

FONTE:
Ministério da Saúde. org.br

quarta-feira, 1 de agosto de 2018

CAXUMBA


A caxumba é uma infecção viral que afeta as glândulas parótidas (um dos três pares de glândulas que produzem saliva). Essas glândulas situam-se entre e à frente das orelhas. A caxumba também pode afetar as glândulas submandibulares e sublinguais que se localizam mais internamente e próximas dos ouvidos.

Esta é uma doença que ataca mais as crianças e pode afetar uma ou os dois pares de parótidas da direita e da esquerda. Complicações desta doença são raras, principalmente quando atingem os adultos. Como não há um tratamento específico para combatê-la, o melhor mesmo é a vacinação. A caxumba já foi muito comum no Brasil, antes de uma vacinação em massa, quando a sua incidência diminuiu consideravelmente.

A caxumba não pode ser contraída de algum animal ou planta. Isto porque os seres humanos são os hospedeiros naturais desse vírus, e significa que a transmissão desse vírus só acontece entre as pessoas.

O causador dessa doença é um vírus da família dos paramixovírus, transmitido pelas vias respiratórias e a inalação de gotículas de espirros ou tosse de pessoas contaminadas. Beijar e utilizar utensílios como pratos, copos e talheres também é um forte meio de transmissão do vírus.


Assim que o vírus entra numa pessoa, fica incubado por 7 a 9 dias. Incubar significa que o vírus está se preparando para atacar. Como um único vírus não pode causar tanto estrago, ele precisa de um lugar apropriado para se reproduzir. E isso acontece rapidamente. Em horas são centenas e em dias serão milhões. Portanto, nesse período já podem contaminar outras pessoas. Entre o contato com o vírus e o surgimento do inchaço devem se passar 15 a 21 dias. A caxumba provoca, inicialmente, o inchaço das parótidas da direita ou da esquerda. Depois, quando a pessoa acha que está melhorando, incha o outro lado. Às vezes, ele ataca apenas de um lado só. Mas pode acontecer que esse inchaço atinja os dois lados ao mesmo tempo.


O vírus da caxumba atinge mais as crianças e adolescente dos 5 aos 16 anos, ou seja, em idade escolar. Por isso, é considerada uma doença infantil. Algumas pessoas podem não apresentar esse inchaço. É a chamada “forma branda da doença”. Porém, o principal sintoma da caxumba é o inchaço das glândulas salivares (paroditite) e bastante doloroso ao mastigar e engolir, o que conduz à perda do apetite. Podem ter ainda: febre, dores de cabeça, cansaço e fraqueza.  A caxumba ainda pode atingir o pâncreas e o Sistema Nervoso Central (SNC) e provocar processos inflamatórios. 
É raro, mas existe a possibilidade de o vírus atingir os testículos causando uma inflamação (orquite). Já nas moças, a inflamação dos ovários (ooforite), mas em nenhum dos dois, a doença causa esterilidade.

Dependendo da intensidade dos sintomas pode-se procurar ajuda médica. Se forem muito incômodos, procure o médico. Neste caso, os especialistas no assunto são: o clínico geral, o pediatra e o infectologista.

Quando for ao médico leve um acompanhante para que ele relate a lista de todos os sintomas e o tempo que eles apareceram, o histórico médico (doenças que já teve ou tem) e remédios ou suplementos que esteja tomando. Responder com sinceridade a todas as perguntas que o médico venha a fazer. Se quiser, poderá levar perguntas (por escrito) e tirar dúvidas, se por ventura houverem.
Em caso de uma simples suspeita de caxumba, o médico poderá pedir um exame de sangue. Ele mostrará se os anticorpos do seu sistema imunológico estão atuando com eficiência. E se seu organismo produz anticorpos para o paramixovírus.
Nosso corpo trata de curar a caxumba naturalmente. Mas podemos ajuda-lo com repouso, boa higiene bucal e alimentação líquida ou pastosa são recomendados por serem mais fáceis de engolir. Não são recomendados: alimentos ou sucos ácidos ou alimentos condimentados, porque provocam um aumento da secreção das glândulas afetadas e causam mais dores. Passado o inchaço, o doente pode voltar às suas atividades normais. Depois de curada da caxumba, a pessoa está imune para o resto da vida.
No entanto, algumas complicações graves podem acontecer: a) causar náuseas e vômitos se o pâncreas for atingido; b) os seios femininos podem ser atingidos; c) atingir de forma grave o cérebro (causando lesões); d) se o vírus se espalhar para o Sistema Nervoso Central causando a meningite; e) perda da audição em um ou nos dois ouvidos (raro, mas acontece); f) caso a pessoa infectada esteja nos 3 primeiros meses de gravidez, poderão ocorrer complicações no feto.



A melhor maneira de prevenção é a vacinação. A vacinação é a Tríplice Viral, ou seja, nos defende para o restante de nossas vidas do sarampo, da caxumba e rubéola e é tomada em uma única dose. Os efeitos benéficos da vacina começam 15 dias após ser tomada. Só não podem ser vacinados: as grávidas (nos meses iniciais) e os imunodeprimidos graves.

Fontes:

 Celso Granato, assessor médico em infectologia do Fleury Medicina e Saúde.

Ministério da Saúde. Disponível em: http://portalms.saude.gov.br/saude-de-a-z/caxumba
Imagens - Google


segunda-feira, 23 de julho de 2018

SARAMPO


Durante 60 anos, o Brasil vinha vacinando as pessoas (especialmente os bebês) contra o sarampo. Em 2016, o Brasil recebeu até o certificado de eliminação total da circulação do vírus do sarampo, oferecido pela Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS). Mas agora, o sarampo está de volta com força total, porque muitas mães deixaram de vacinar seus filhos.


Várias são as causas desse descuido: a) não ter ouvido falar dessa doença, b) não ter acesso fácil aos postos de vacinação, c) medo da reação, d) por ter dó dos bebês que choram ao levar a picada da agulha, e) a chegada de imigrantes e refugiados, vindos de países que não houve a preocupação dos governos com a erradicação da doença. Você não deve acreditar em tudo o que lê na Internet, nem dar tanta importância ao que opinam nas redes sociais. Se tiver dúvida, procure alguém que conhece o assunto.

Quero deixar claro, que estas pessoas não têm culpa de trazerem o vírus para cá novamente. A culpa é nossa, por ter deixado de lado, como algo de pouca importância, a vacinação de nossos filhos. No Brasil, a vacinação é gratuita e pode ser encontrada em qualquer posto de saúde. É preciso que tenhamos essa consciência e correr para os postos de saúde e tomarmos a vacina. E se você conhecer algum imigrante ou refugiado, informe-o também.

Quero afirmar também que não é só Brasil que corre o risco de uma epidemia, mas o mundo todo também, incluindo os países de maior desenvolvimento que o nosso. 
Há um tempo atrás, dizia-se que o sarampo era uma doença infantil, isto porque os adultos estavam vacinados. Mas o sarampo ataca pessoas de qualquer idade e sexo, desde que não estejam imunizadas pela vacina ou por não tê-la contraído na infância.
Vamos saber um porco mais sobre o sarampo?

Vírus do sarampo

O sarampo é uma doença contagiosa, grave e aguda, provocada por um vírus. Embora varie de um lugar para outro devido ao grau de imunidade ou suscetibilidade da população. O comportamento dessa doença é de epidemia, ou seja, ataca muitas pessoas ao mesmo tempo e numa velocidade muito rápida, porque a transmissão se dá pela fala, tosse, espirro ou pela própria respiração. Por isso, o elevado poder de contágio da doença.
O sarampo é, no mundo, uma das maiores causas da mortalidade de crianças com menos de 5 anos. Como o sarampo é um a doença infecciosa, acarreta infecções em outras partes do corpo, o que torna essa doença mais perigosa do que já é por si só. Principalmente, quando atinge crianças desnutridas e menores que 1 ano.
Nos idosos, outro grande setor de risco, o processo infeccioso se espalha com maior rapidez devido à baixa resistência que os idosos enfrentam por causa da idade e pela demora do corpo se recuperar das infecções, o que os leva ao óbito.
Bebê com sarampo. È isto o que você quer para seu bebê?

Os principais sintomas ou sinais dessa doença são: manchas brancas na boca (sinal de koplik) 1 ou 2 dias antes das manchas vermelhas, febre alta (acima de 38,5ºC), dores de cabeça, manchas vermelhas que surgem no rosto, depois atrás das orelhas e finalmente, se espalham pelo corpo todo, tosse seca e coriza (como se estivesse gripado), conjuntivite.
Esses sintomas duram cerca de 7 dias. A febre, coriza, tosse, conjuntivite acompanhada de fotofobia (não conseguem olhar para a claridade do sol ou da lâmpada do ambiente) surgem do 2º ao 4º dia. Depois, aparecem as manchas vermelhas (no rosto e atrás das orelhas) e vão se acentuando ao mesmo tempo que vão tomando o corpo todo. O paciente não tem forças para se levantar (prostração) desde o primeiro dia.
Passada esta fase, começa a diminuição dos sintomas (remissão), iniciando pela baixa da febre. Na região das manchas vermelhas a pele fica escurecida e em alguns casos pode haver uma descamação fina e farinhenta (furfurácea).
Os primeiros 7 dias é conhecido como “período toxêmico”, ou seja, um período em que o paciente está fraco e pouco resistente, que facilita a entrada de outros vírus e bactérias, causando uma superinfecção. Daí as complicações. Se a febre alta permanecer por mais de 3 dias ou após as erupções das manchas vermelhas, é sinal de complicações, portanto deve-se procurar um médico com urgência. As infecções mais comuns e simples são: infecções respiratórias; otites; doenças diarréicas e neurológicas.
Adulto com sarampo

A incidência, evolução clínica e letalidade do sarampo são influenciadas pelas condições socioeconômicas, nutricionais, imunitárias e a exposição a aglomeração em lugares públicos (ônibus, trens, festas, shows fechados) escola e nas residências.
O único meio de nos protegermos e a nossos filhos é pela vacinação em massa. O vírus vacinal não transmite a doença porque ele é modificado em laboratório. Precisa estar vivo para que nosso sistema de defesa o reconheça como invasor e crie anticorpos para combatê-los.
Agora que você sabe mais sobre a importância da vacina contra essa doença, vacine-se e leve seu filho também.
MAIS VALE ALGUNS MINUTOS DE CHORO DO SEU FILHO, 
DO QUE VOCÊ CHORAR O RESTO DA VIDA, 
POR NÃO TÊ-LO VACINADO.
A vacina, a data e as doses foram postadas anteriormente. Saiba agora para adolescentes, adultos e idosos:
a) Para adolescentes e adultos até 49 anos:
·         Pessoas de 10 a 29 anos -  duas doses das vacina tríplice 
·         Pessoas de 30 a 49 anos - uma dose da vacina tríplice viral
Quem comprovar a vacinação contra o sarampo conforme preconizado para sua faixa etária, não precisa receber a vacina novamente.
Não devem receber a vacina:
·         Casos suspeitos de sarampo
·   Gestantes - devem esperar para serem vacinadas após o parto. Caso esteja planejando engravidar, assegure-se que você está protegida. Um exame de sangue pode dizer se você já está imune à doença. Se não estiver, deve ser vacinada um mês, antes da gravidez. Espere pelo menos quatro semanas antes de engravidar.
·         Menores de 6 meses de idade
·         Imunocomprometidos
Caso suspeito de sarampo: pessoa com febre e manchas avermelhadas, acompanhado de tosse e/ou coriza e/ou conjuntivite, independente da idade e situação vacinal ou todo Indivíduo suspeito com história de viagem ao exterior nos últimos 30 dias, ou de contato, no mesmo período, com alguém que viajou ao exterior.
Fontes de pesquisa:

sexta-feira, 20 de julho de 2018

OS DONOS DE UM MUNDO INVISÍVEL

A humanidade passou muitos milênios de sua história sem saber que havia uma forma de vida microscópica. Uma vida de seres tão pequeninos, que chegam a ser menores que a ponta de um fio de cabelo. Por isso, não são vistos por nós. E para os homens das épocas mais antigas, o que não era visto não existia.

Porém, com a invenção dos primeiros microscópios no século XIX, esses pequenos seres vivos foram descobertos. Eram chamados de micróbios (vida pequena) ou germes, segundo o vocabulário da época. Não diferenciavam as diferentes espécies porque a tecnologia era bastante rudimentar. Ainda hoje, essas palavras ainda fazem parte do vocabulário de muita gente.

Eles existem sim, e estão por todos os cantos: no ar, no solo, na água e dentro do nosso corpo. E são trilhões deles. Entram e saem dos corpos dos humanos e dos animais constantemente e sem que sejam percebidos. Uns são benéficos e importantes em algumas funções do nosso corpo. Outros são maléficos porque causam as doenças. E as doenças podem ser leves, moderadas ou graves. Tão graves que podem matar pessoas e animais. Vamos conhecê-los?


OS VÍRUS

Com certeza, você já ouviu falar deles. Lembra quando você levou seu filho ao médico e ele te disse que era uma virose? O termo “virose” deriva do termo “vírus”. Esse pequeno serzinho é tão minúsculo que chega a ser dez mil vezes menor que uma bactéria. Veja o vírus “influenzae”, que causa a gripe.

Vírus “influenzae”, que causa a gripe .

Os vírus não passam de materiais genéticos cobertos por uma capa de proteína. Como não possuem metabolismo próprio, usam as células dos organismos que invadem para se reproduzirem. E se reproduzem muito rápido. Basta um ou dois para se transformarem em milhares dentro do corpo dos humanos ou dos animais. Algumas espécies de vírus preferem o verão e outras o inverno. E se encontram um organismo desprotegido, certamente farão “uma farra” dentro do nosso corpo dominando-o completamente.

Para se ter uma ideia de sua periculosidade, em 20 anos o vírus HIV (que transmite a AIDs) matou 25 milhões de pessoas no mundo todo, enquanto o vírus da gripe espanhola, em 2 anos, matou a mesma quantidade. Além disso, há vírus extremamente difíceis de controlar porque estão em constante mutação, como por exemplo, o vírus “influnzae” da gripe do tipo A.


AS BACTÉRIAS

“Neisserias gonorrhoeae” bactéria que causa a gonorreia.

As bactérias são seres de uma só célula (unicelulares) e seu núcleo não tem uma membrana que o separe do restante. As bactérias são seres muito simples e medem cinco milésimos de milímetro. Tem o corpo esférico e são chamadas de “coco”
As bactérias foram as primeiras formas de vida a surgir em nosso planeta há cerca de três milhões de anos. Por terem tantos anos de vida, se tornaram muito mais resistentes aos medicamentos. Um exemplo, são as temíveis “Neisserias gonorrhoeae”, que causa a gonorreia, e que é transmitida sexualmente.

Também estão presentes nas infecções e o que podemos ver dos seus efeitos é uma secreção fétido que chamamos de “pus”. Estão presentes nos hospitais e que causam a morte de inúmeros pacientes por infecções generalizadas.

Por outro lado, algumas espécies são benéficas por serem as grandes faxineiras do planeta, pois estão presentes na decomposição de plantas e animais.

OS BACILOS

Os bacilos são bactérias que tem um corpo alongado, parecendo um bastão.

Bacillus antracis, que causa o antraz

Os bacilos ficaram conhecidos por causarem a tuberculose. O “Mycobacterium tuberculosis” ou “Bacilo de Koch” como ficou conhecido, é o agente transmissor dessa doença altamente contagiosa.

Há poucos anos atrás, os terroristas usaram como arma bacteriana, o “Bacillus anthracis” que causa o antraz, uma infecção letal. Todos os bacilos são nocivos à nossa saúde.

 Bacillus
Nesse mundo microscópico, ainda existem outros seres que nos incomodam bastante. Como por exemplo:

OS FUNGOS

A variedade de fungos é muito grande e formam o Reino Fungi, um reino bastante específico do que os já conhecidos. Alguns fungos são seres vivos macroscópicos e pluricelulares (possuem muitas células) como os cogumelos e outros são seres microscópicos e unicelulares (composto de uma única célula) como os que formam o “mofo e os bolores”. Gostam de uma variedade de ambientes onde se desenvolvem, como o solo, a água, os vegetais, animais, humanos e os detritos em geral. O vento é o grande responsável pela proliferação dos fungos.

Este é o fungo “Candida Albicans”

Estudiosos deste reino afirmam que existem 1,5 milhões de espécies de fungos em nosso planeta, como os cogumelos, as leveduras, os bolores, mofos. Muitos são usados na culinária, na medicina e outros produtos domésticos. O fungo “Penicillium roquefort” é muito usado na fabricação do queijo roquefort. E o “Penicillium notatum” é o principal ingrediente da penicilina, um poderoso antibiótico que salva muitas vidas.

É preciso dizer que nem todos os cogumelos são comestíveis. Há cogumelos muito venenosos. Por outro lado, uma boa parte dos fungos são parasitas e transmitem doenças aos humanos, animais e plantas. Nos humanos o fungo “Candida albicans” responsáveis pelas micoses. Outros, causam as frieiras, o pano branco e a candidíase.

PROTOZOÁRIOS

Os protozoários, assim como as bactérias, são seres vivos compostos de uma única célula, processam seu alimento e geram energia porque possuem organelas, que funcionam como minúsculos pulmões, estômago e outros órgãos. Alguns protozoários podem atingir 2 milímetros, portanto são visíveis. Outros são mil vezes menores que os anteriores. 

Plamodium falciparum, que causa a malária.

O protozoário mais temido é o “Plasmodium falciparum”, que causa a malária e que mata 2 milhões de pessoas por ano.


imagens Google