quarta-feira, 19 de outubro de 2016

AVALIAÇÃO ESCOLAR DE ALUNOS COM PARALISIA CEREBRAL

PRIMEIRO DIA DE AVALIAÇÃO

Supondo que você receba na sala de aula uma criança (ou um jovem) com Paralisia Cerebral (PC) de moderada à grave. Você não a conhece, nem sabe de suas possibilidades, porém sabe que essa pessoa tem: biplegia dos membros inferiores (portanto não anda e é cadeirante), deficiência intelectual, baixa visão, fala dificultada, fortes problemas motores sendo lado direito mais funcional e o esquerdo nada eficiente. Sabe que já esteve na escola, mas não está alfabetizada. O que se pode fazer neste caso?

A primeira coisa a fazer é procurar saber o que ele pode realizar. A isto chamamos avaliar e seu objetivo é conhecer as possibilidades que ele tem de ler, escrever, contar e fazer alguns cálculos. É preciso saber que esta avaliação não é feita num único dia, mas ao longo de todo o processo alfabetizador. no entanto, este primeiro dia de avaliação já nos dá uma ideia de "como" e "por onde começar" nosso trabalho com essa criança ou jovem.Para isso, prepare algumas atividades que ele possa fazer.

OBS:

É preciso que o leitor saiba também que, nesta avaliação começamos uma sequência de atividades, mas que por sua extensão fica difícil colocá-la toda de uma vez. Mas que ao final, leva no máximo uma hora de trabalho, divididos em trabalhos de coordenação motora fina, trabalho de alfabetização em Lingua Portuguesa, leitura e escrita e alfabetização matemática.



PRIMEIRAS ATIVIDADES AVALIATIVAS

A primeira atividade é perceber a capacidade de “RABISCAR”. Nestas atividades é preciso que você ou alguém esteja do lado dele para instruir, observar e anotar os resultados.

1- VERIFICANDO A COORDENAÇÃO MOTORA

Entregue uma folha a ele e giz de cera (que são mais grossos e facilita a pegada). Mostre a ele (a) como você quer que ele faça e deixe que trabalhe sem interferências.
Nesta atividade observe: como ele encaixa o lápis na mão (pega com facilidade? Usa a outra mão para ajudar a encaixar o lápis?) É destro ou canhoto? A resposta a estas questões já dá uma orientação de qual lado do corpo é mais fácil ou mais difícil de trabalhar.

Observe os rabiscos. São longos ou curtos? São juntos ou apresentam espaços entre um risco e outro?  Levanta o cotovelo e trabalha com o braço no ar ou apoia o braço todo na mesa e na folha? Aparecem formas diferentes das que você pediu, como traços verticais, círculos, quadrados?
Como se vê, há rabiscos juntos e distantes, aparecem letras e um traço vertical. Apesar da PC e rigidez muscular, seus traços são leves e fracos (claros).

Observando como ele rabisca você tem uma noção de partida para o trabalho com ele. Se os traços forem curtos e juntos é sinal que os nervos e músculos estão muito enrijecidos ou ele apoia o braço e pulso sobre o papel e na mesa. Se forem mais longos e espaçados, há maior mobilidade. Se aparecerem traços verticais ou outra forma qualquer é sinal que ele avançou nas fases de desenvolvimento do desenho. É sinal que ele consegue erguer o braço.

Como uma segunda atividade é perceber se ele já desenvolveu a “TRAVA MUSCULAR”, ou seja, se ele tem noção de começar um traço e parar logo depois. Este é um exercício importante para a escrita. Escrever é começar e terminar uma palavra, deixar um espaço em branco e começar outra.

Para isso, em uma outra folha, passe na primeira metade traços horizontais (de 3 a 4 cm mais ou menos) e interrompidos por um espaço. Na segunda metade da folha, passe traços verticais também interrompidos. Lembrando que a baixa visão necessita de traços fortes, largos e de preferência escuros. Mostre primeiro os traços horizontais e mostre a ele como deve fazer. E deixe que trabalhar sozinho e sem interferências.
Vemos aqui, traços horizontais contínuos e ao final, tentativa de interrupção.E muito claros, sem pressão forte. Já os verticais, são mais fortes e interrompidos

Se ele traçar horizontal e verticalmente e parar mais ou menos onde você parou, é sinal que ele já possui a trava muscular bem desenvolvida. Caso tenha traçado até o final da folha, ainda não desenvolveu.

Mas também pode ser que realizou bem as linhas verticais e traçou a horizontal linhas retas contínuas ou vice-versa. É sinal que desenvolveu a trava apenas na direção em que deixou o espaço e não na outra. E você pode começar seu trabalho por aqui.


Um terceiro exercício, caso tenha aparecido formas diferentes nos rabiscos, é saber se essas formas foram ocasionais ou se ele sabe mesmo. Como no exercício anterior, em outra folha, passe metade da folha com círculos e a segunda metade com quadrados. Mostre como fazer (um de cada vez, e deixe que ele trabalhe sozinho sem interferência.

Vemos que encontra dificuldade nos dois. Os círculos ficam quadrados e os quadrados são abertos.

Caso não consiga realizar nenhum dos dois, é sinal de que foram ocasionais. Caso resolva os dois, com ou sem dificuldade é sinal de que ambos devem ser explorados no trabalho. E ambos podem ser trabalhados em momentos oportunos. Caso resolva um e o outro não, pode ser trabalhado o que encontrou mais dificuldade. 



Até a próxima postagem e segunda parte do trabalho do primeiro dia: AVALIAÇÃO DO CONHECIMENTO DAS VOGAIS.

Nenhum comentário:

Postar um comentário